23 de dezembro de 2009

UM NATAL CONSCIENTE.

Tantas luzes que piscam, cores que enchem nossos olhos e dão cor às ruas da cidade.... são como máscaras para camuflar a pequena força que se encontra em nossa luz interior. Tanta música, canções natalinas entoadas em uníssono com tanta alegria e empolgação... servem para abafar os sons dos gemidos que são silenciados por quatro paredes; esquecidos por nossos ouvidos individualistas e ignorados pelas nossas aparências sociais. Quanta bebida... para no final restar apenas aquele gosto amargo que desce a garganta. São os desejos dos famintos que farejam no ar o cheiro das delícias natalinas e que as degustam apenas na imaginação e as digerem com as narinas. Quantos presentes que trazem alegria para aqueles que os recebem... mas também trazem desilusão àqueles que sonharam e esperaram e no final receberam da realidade tão pouco. Pra que tanta árvore? Tanto verde? Se a esperança que existe dentro de nós é transparente, invisível e abstrata?! Pra que um velho barbudo de roupa vermelha que traz doces no saco que carrega em suas costas, realizando os seus desejos de acordo com sua conduta ao longo do ano; se existe uma pessoa que não precisa de capa, gorro, barba para ser quem é, ou um saco vermelho para carregar seus presentes. E sabe porquê? Porque o presente que ele lhe proporciona não há dinheiro que compre, não há saco que caiba, não há trenó que carregue... é a força que lhe sustenta em seus momentos de angústia, o ar que você respira, o sol que nasce para clarear seus dias, o coração que bate... é a sua vida! Ele te ama, te perdoa, tem sempre uma mão amiga para lhe estender... e não somente em um dia do ano, e sim todos os dias de sua vida! E o melhor... o seu amor é incondicional, ou seja; não tem limites e não necessita de uma avaliação dos seus dias no decorrer do ano. Papais-noéis, trenós, duendes... toda uma máscara usada para tirar o foco de quem merece toda a atenção não só nesta data, mas todos os dias vividos: Jesus. O maior presente que podemos oferecer é o que não se pode ver nem tocar, mas apenas senti-lo e oferecê-lo. É o amor de Deus, aí sim o seu natal e o resto dos seus dias terão luzes não somente nas ruas, e sim no seu interior a resplandecer no seu rosto e nas suas condutas... músicas não só natalinas a soar nos seus ouvidos, e sim a harmonia do seu interior a tocar o som de gratidão pela vida; não bebidas que satisfazem seu desejo momentâneo e sim a água da fonte da vida, que sacia sua sede eternamente. À você e sua família, um feliz natal consciente!
Patrícia Azevedo

3 comentários:

defélix, disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
defélix, disse...

É desse Natal,
que todos nos precisamos ...
TODOS!

amei seu jeito,
as analogias que usa,
são fantásticas!

te amo.

Mariane disse...

Olá Patríciaaa...

Você deixou um recadinho no skoob pra mim.. querida, amei seu post, me identifiquei com muita coisa!! Já add seu blog lá pelo Compartilhando Leituras... vou procura-la no twitter e se tiver msn me mande por e-mail. Vi que vc está lendo a Lição Final, é maravilhosa, dps partilhamos...

Um excelente final de semana...

Bjao!