10 de agosto de 2010

Depois do seu velório...


Você acha mesmo que o mundo vai parar se você morrer? É meio triste pensar dessa forma mas é o único meio pra despertar essa geração de pessoas alienadas.
A casa que você mora... Provavelmente será vendida à um estranho que a reformará por completo anos depois. E se isso não acontecer seus filhos ficarão com ela, mas aquele seu carpete branco felpudo da sala que você zelava para ficar sempre limpo vai ser sujo pelo cachorro (sim, seus filhos comprarão o cachorro que você sempre os proibiu de ter) e lambuzado de suco enquantos seus filhos e netos jogam video-game. Isso se ele for aprovado pela nova patroa do lar que é decoradora. Mas é mais certo que ele será carregado por um d
os seus filhos para o porão da casa.
Ah, a decoradora? Seu marido não aguentou os anos de solidão e se casou novamente... acalme-se! Ele sofreu por sua perda e te amou verdadeiramente enquanto estiveram juntos... mas não foi você quem disse que ele não conseguiria viver sozinho? Pois é.
A empresa que você gerenciou por 12 anos e deu seu sangue e seu tempo por eles? Seu chefe não compareceu ao seu velório por forças maiores e aquela sua adversária fofoqueira ficou no seu lugar.
O carro que você exibia para a vizinhança? Foi pro ferro velho há algum tempo... a decoradora trouxe dois novos e não sobrou espaço pro seu na garagem.
Ah, e ela ficou muito feliz ao abrir seu guarda-roupa... adorou seu perfume, os sapatos e as roupas que serviram perfeitamente, porém a maioria deles já ficaram ultrapassados... vão ser doados para um bazar beneficiente... ela está sempre preocupada em fazer o bem!
Depois do seu velório sua filha caçula se lembrou de uma maleta azul que você guardava dinheiro.. à partir daí todos viraram detetives, mas não a encontraram. Muitos anos se passaram e quando foram trocar o piso acharam seu "compartimento secreto". Ninguém te elogiou por ser tão cuidadosa e criativa.. ficaram super chateados porque cruzeir
os não valiam mais nada.
Bom, não sei se você queria saber disso, mas não pude resistir de te contar ao te ver desperdiçar seus maiores tesouros e gastar seu tempo com coisas fúteis e passageiras. O que vai ficar nesse mundo depois que você for não vão ser coisas materiais e sim lembranças. Quem sabe um abraço forte, um piquenique com a família no final de semana, uma guerra de travesseiros, uma carta de agradecimento ou apenas um sorriso? Enquanto existe fôlego, existe também tempo para construí-las. Está disposto?

24 comentários:

Winny Trindade disse...

É como eu digo: No fim só nos restam as lembranças.

Abraço meu.

Gabriela Petrucci disse...

É realmente muito difícil praticar o desapego, aliás, cada vez mais difícil. E quando vemos, estamos tão atolados em superfluos que fica difícil sair.

Obrigada pela visita, vou seguir aqui e favoritar também.
E como você mesma disse, até o próximo post. Aguardo. :D

Beijo

Lari Reis disse...

É tãão difícil promover o desapego. Claramente a gente percebe o quanto tudo o que você relatou faz sentido. Às vezes falta coragem para encarar...

Ana Lu disse...

Ei Patrícia!
Lindo o texto, e mta gente precisa realmente tomar como lição. Minha tia sempre diz que caixão não tem gaveta, e que nunca viu caminhão de mudança em porta de cemitério. Mas mesmo assim tem gente que parece cismar em valorizar mais o material do que o que realmente importa..
Beijos!

Luís disse...

Pode ser que o mundo de alguém pare. Eu, por exemplo, não consigo me imaginar sem a pessoa que mais amo (e já até disse isso pra ela).

E como disse a Winny, "no fim só nos restam as lembranças". Mas completo: para aqueles que não querem ver nosso legado.

Beijo.

Rodolpho Padovani disse...

As coisas materiais ficam, mas o tempo as desgasta, agora as memórias e lembranças que ficam nem o tempo pode apagar, e o tempo de construí-las é agora, deixando sempre nosso melhor sorriso, abraço, palavra doce...

Aproveito para agradecer pela visita no meu blog...

Bjs =)

Deyse Batista disse...

Um texto duríssimo, na minha opinião, mas de uma natureza incontestavelmente real. As pessoas dão cada vez menos valor ao que realmente deveria ficar e, vai saber como, conseguem viver assim.
Eu, por exemplo, não consigo me imaginar sem a pessoa que mais amo (e já até disse isso pra ele). [2]
Muita gente deveria poder ler o seu texto e ver se aprendia alguma coisa com ele, isso sim.
Beijos.

Deyse Batista disse...

Um texto duríssimo, na minha opinião, mas de uma natureza incontestavelmente real. As pessoas dão cada vez menos valor ao que realmente deveria ficar e, vai saber como, conseguem viver assim.
Eu, por exemplo, não consigo me imaginar sem a pessoa que mais amo (e já até disse isso pra ele). [2]
Muita gente deveria poder ler o seu texto e ver se aprendia alguma coisa com ele, isso sim.
Beijos.

Nathy disse...

Nossa, belo e sábio texto!

Desculpe o sumiço, estou na correria, mas sempre dou uma passadinha por aqui quando dá. Beijocas!

Por que você faz poema? disse...

O mundo de ninguém
acaba depois
dos funerais.

dear sarah disse...

Isso! Tudo irá continuar como está. Ou até de uma forma melhor.
A morte para mim é o começo de tudo, devemos ter a certeza de que pra onde iremos será o local em que a eternidade seja completamente perfeita.
Mas temos que agarrar a oportunidade de escolha aqui nessa vida, para que a próxima seja a certa de se viver.

Willyan Luemi disse...

Patrícia, gostei muito do texto.
E não sei se é normal isso,
Mas não encarei o seu texto de forma triste. Mas como uma visão profundo do que é inevitável(inevitável por que não tem de evitado).

Bem acho que Caeiro consegue explicar melhor do que eu:

" Quando a erva crescer em cima da minha sepultura,
Seja este o sinal para me esquecerem de todo.
A natureza nunca se recorda e por isso é bela.
E se tiverem a necessidade de "interpretar" a erva verde sobre a miha sepultura,
Digam que eu continuo a verdecer e a ser natural."

Um grande abraço!

Camila disse...

UAU *-*
tirei o chapéu pra vc, amiga!
que texto ótimo! talvez um dos que mais me prenderam a ler.
AMEI ;D

Little Ann. disse...

NOSSA, que texto magnifico patricia *-*
Tá de PARABÉNS. isso realmente é verdade, e eu nunca tinha parado pra pensar , é :x
beijos.

Laurinha . disse...

o mundo sempre continua a girar, independente do que aconteça em nossas vidas . '-'

Wilian Bincoleto Wenzel disse...

O que ficam são as lembranças. É lutar agora, para que depois elas sejam apenas boas.

Bela mensagem. Algumas pessoas necessitam ler textos assim.

Tenho uma adimiração muito grande pela sua pessoa!
Fique com Deus, Patrícia!

Denize disse...

Queee texto mais lindoooo cara
é dificil saber né...
beeeijo

- adelapenha disse...

que texto lindo..
me emocionei!
to chorando RSRS

adorei o final 'Esta Disposto?'

quem me dera escrever algo assim
parabens!

Bela Lima disse...

Posso contar um segredinho?
Me apaixonei pelo seu texto!!!!
Acho que devemos aproveitar a VIDA, sem perder tempo se descabelando com coisas fúteis/inúteis...
Todos morreremos um dia, a diferença é que após a morte uns serão lembrados por sua vivacidade, outros serão logo esquecidos, e há ainda os que nunca foram vivos de verdade...

Alexandra disse...

Garota do blog
*---*
HUAHUAHUA'
Adoreii o texto.
AMEII as primeiras linhas.
Beijiinhos

Mandy disse...

Nossa, eu adorei mesmo esse seu texto. :) Acredita que eu vou mandá-lo por email para minha mãe? Então, é isso mesmo. Parabéns!
Ah, e obrigada pela visita e por me seguir também. Pode ter certeza que eu seguirei você, não por obrigação, mas por ter gostado mesmo do seu cantinho..
Volte sempre, viu.
Beijoos
Mandy

Gab disse...

Muita gente deveria ler teu texto. Porque o que eu vejo de gente fútil e materialista, não é brincadeira!
Achei bonito, um pouco triste, mas que nos faz pensar nas coisas que realmente valem a pena na vida.
Beijos.

Loize Carol disse...

As pessoas valorizam tanto as coisas materiais e esquecem do valor de um abraço, um beijo, um aconchego.

Reflexão linda.
Beijo :*

Renata disse...

paati *-*
Liindo o texto !!
qm dera eu escrever alguma coisa assim ..
ameei o texto *--*